Clonalidade para células B, Detecção por PCR, Vários Materiais

Outros nomes:

IGH, Rearranjo gênico

Rearranjo gênico de IGH

Orientações necessárias

- Este exame é realizado somente com pedido médico, em fragmentos de tecido. - Materiais colhidos fora do Fleury devem ser entregues conforme condições abaixo: - Fragmento de tecido: deve ser enviado fixado em formol a 10%, incluído ou não em parafina, em recipiente apropriado, identificado com o nome do paciente.

Processamento e adequação da amostra

AMOSTRA: Fragmento de tecido incluído ou não em bloco de parafina. PROCEDIMENTO: - Fragmento de tecido não incluído em bloco de parafina: -- Não manusear: --Enviar para o Setor de Anatomia Patológica (AP) - Fragmento de tecido incluída em parafina -- Não manusear. Encaminhar para LARI.

Método

- Amplificação por PCR e detecção por eletroforese.

Valor de referência

- Ausência de rearranjo gênico predominante em IgH (policlonal).

Interpretação e comentários

- Esse exame se destina ao diagnóstico de clonalidade em proliferações linfocitárias (pesquisa de rearranjo de cadeia pesada de imunoglobulinas - IgH - quando solicitado para linfoproliferação B, e pesquisa de rearranjo de receptor de células T - TcR - quando solicitado para doenças linfoproliferativas T). - Proliferações linfóides T freqüentemente representam um desafio diagnóstico para o clínico, haja vista a inexistência de marcador fenotípico de clonalidade nesse subtipo celular. Da mesma maneira, algumas infiltrações linfóides tissulares compostas por células B representam dificuldade diagnóstica, particularmente naqueles casos em que não é possível a análise por citometria de fluxo e a reação imunoistoquímica para pesquisa de cadeias leves ou de imunoglobulinas funciona de maneira duvidosa. A resolução desses casos tem sido auxiliada sobremaneira por meio de estudos com técnicas moleculares. - A técnica de PCR (reação em cadeia da polimerase) praticamente substituiu o método de Southern Blot para pesquisa de clonalidade em doenças linfoproliferativas, por ser mais rápido, de menor custo e aplicável a pequenas quantidades de material biológico. Um material habitual para análise por PCR é o oriundo de tecido fixado em formol e incluído em parafina. Em doenças clonais haverá a amplificação preferencial do segmento anômalo, produzindo banda única na análise após eletroforese.

Cobertura de convênios

Para informações sobre cobertura de convênio, consulte nossa página de Convênios ou ligue para nossa Central de Atendimento pelo telefone: (21) 2266-8989

Preços e Pagamento Particular

A Clínica Felippe Mattoso oferece parcelamento em até 10x sem juros (parcela mínima de R$ 50,00).

Não possui cadastro? Cadastre-se já!

Entre em contato com a nossa Central de Atendimento e agende seu exame: 

(21) 2266-8989