Clostridioides (Clostridium) difficile, pesquisa de toxinas A e B, fezes

Outros nomes:

COLITE PSEUDOMEMBRANA, TOXINAS A E B

PESQUISA TOXINA A DO CLOSTRIDIUM DIFFICILE

TOXINA A DE CLOSTRIDIUM DIFFICILE

Clostridium difficile, toxinas A e B, pesquisa

Clostridium difficile, pesquisa de toxinas A e B

PESQUISA DE CLOSTRIDIOS NAS FEZES

PESQUISA DE CLOSTRIDIUM NAS FEZES

PESQUISA DE CLOSTRIDIUM DIFFICILE NAS FEZES

Orientações necessárias

- É necessário retirar um conjunto (kit) para coleta em uma das unidades do Fleury. - As fezes devem ser colhidas em frasco sem conservador. - Para crianças maiores ou adultos: evacuar diretamente no frasco plástico grande, fechar com a trava e colocar o frasco dentro do saco plástico tipo zip. - Para crianças que utilizam fralda: transferir as fezes da fralda para o frasco plástico grande, fechar com a trava e colocar o frasco dentro do saco plástico tipo zip. Observação: O envio do material poderá ser realizado na própria fralda, que deverá ser mantida em temperatura ambiente e levada ao Fleury em até 6 horas após a coleta. - O material deve ser entregue no Fleury até seis horas após a coleta, se transportado à temperatura ambiente, ou até 72 horas, se mantido sob refrigeração (2-8 ºC) ou congelado (-20 ºC).

Processamento e adequação da amostra

- Enviar material no saco plástico, refrigerado, para a Seção de Microbiologia Estabilidade da amostra Temperatura ambiente: 6 horas; Refrigerado (2-8 ºC): 3 dias; Congelado (-20 ºC): 7 dias.

Método

- Ensaio Imunoenzimático, utilizando anticorpos monoclonais anti-toxinas A e B de C.difficile.

Valor de referência

- Pesquisa negativa.

Interpretação e comentários

- Estudos taxonômicos recentes levaram à reclassificação de Clostridium difficile em um novo gênero denominado Clostridioides (Anaerobe, 2016; 40:95-99 e Int. J. Syst. Evol. Microbiol., 2016; 66:3761-3764); portanto a nomenclatura correta e atual é Clostridioides difficile. C. difficile é um bacilo Gram-positivo anaeróbio capaz de causar manifestações clínicas que variam de diarreia a perfuração de cólon. O quadro mais comum é a diarreia relacionada ao uso de antimicrobianos, usualmente observada cinco a dez dias após o início da antibioticoterapia. Em quadros leves a moderados, observam-se mais frequentemente três ou mais episódios de diarreia aquosa por dois ou mais dias, além de dor abdominal leve. Já nos casos graves, ocorrem de 10 a 15 episódios de evacuação por dia, acompanhados de dor abdominal intensa e náuseas. O método considerado padrão-ouro para o diagnóstico é a cultura toxigênica, mas em função do prazo de três a cinco dias para liberação do resultado, o teste é recomendado quando persiste a suspeita clínica e os demais testes estão negativos. Os testes que fornecem resultados mais rápidos detectam glutamato desidrogenase (GDH) e/ou toxinas A e B ou o DNA de C. difficile (PCR). A pesquisa das toxinas A e B de C. difficile nas fezes, por técnica imunoenzimática, com o emprego de anticorpos monoclonais, tem baixa sensibilidade (39% a 51%), porém elevada especificidade (99% a 100%). O teste para GDH apresenta 98,0% de sensibilidade e 91,7% de especificidade. Segundo o consenso americano sobre diarreia por C. difficile (McDonald et al. 2017), a PCR pode ser utilizada isoladamente caso o paciente apresente pelo menos três episódios de evacuações com fezes não formadas em 24 horas. Segundo o consenso europeu (Crobach et al. 2016), a abordagem diagnóstica inicial deve incluir os testes de glutamato desidrogenase (GDH)e toxinas A e B ou PCR e GDH, Todos realizados em amostras de fezes. A positividade simultânea dos testes para GDH e toxinas A e B, na presença de clínica compatível, é critério diagnóstico de diarreia por C. difficile. Quando há positividade para GDH e negatividade para toxinas A e B, com quadro clínico compatível com diarreia por C. difficile, recomenda-se realizar a PCR ou a cultura toxigênica para a confirmação diagnóstica. A pesquisa de toxinas A e B não deve ser utilizada isoladamente como ferramenta diagnóstica.

Hospitais

- Manter a amostra refrigerada (2-8 ºC) até encaminhar para a Seção de Microbiologia. - Encaminhar refrigerada em saco plástico apropriado. Plantão Noturno: - Manter a amostra refrigerada (2-8 ºC) até encaminhar para a Seção de Microbiologia. - Encaminhar refrigerada em saco plástico apropriado. - A amostra é estável por até 6 horas à temperatura ambiente. - A amostra é estável por até 72 horas quando conservada refrigerada.

Cobertura de convênios

Para informações sobre cobertura de convênio, consulte nossa página de Convênios ou ligue para nossa Central de Atendimento pelo telefone: (21) 2266-8989

Preços e Pagamento Particular

A Clínica Felippe Mattoso oferece parcelamento em até 10x sem juros (parcela mínima de R$ 50,00).

Não possui cadastro? Cadastre-se já!

Entre em contato com a nossa Central de Atendimento e agende seu exame: 

(21) 2266-8989