Densitometria óssea, de coluna lombar e fêmur

Outros nomes:

DENSIDADE OSSEA, MEDIDA DE

DENSITOMETRIA OSSEA

DENSITOMETRIA OSSEA DE COLUNA E QUADRIL

DENSITOMETRIA OSSEA DE COLUNA LOMBAR E FEMUR

MEDIDA DA DENSIDADE OSSEA

Densitometria óssea duo-energética

Densitometria mineral óssea

Densitometria óssea por DXA

DXA de coluna e fêmur

Densitometria óssea por DEXA

Densitometria óssea de coluna e fêmures

Densitometria Óssea com triângulo de wards

Densitometria corporal por DEXA ou DXA

Composição corporal com VAT

Densitometria de corpo inteiro com VAT

Composição corporal com cálculo de gordura visceral

Densitometria de corpo inteiro com Fat Shadow

Orientações necessárias

I Interferentes A Densitometria não pode ser realizada após exames com uso de contraste. Aguardar 7 dias se houve realização de algum exame relacionado abaixo: RaiosX com contraste Tomografia com contraste Ressonância com contraste Medicina Nuclear Suspender o uso de medicamentos que contém Cálcio no dia do exame. II Restrições Este exame é feito em clientes com idade igual ou superior a 20 anos, mediante a apresentação de pedido médico. A densitometria óssea não pode ser realizada em gestantes nem em mulheres com suspeita de gravidez. Nas unidades Braz Leme, Itaim, Paraíso, Ponte Estaiada, República do Líbano II,e Villa Lobos, o limite de peso para a realização do exame é de 200 kg. Nas demais unidades de atendimento que oferecem o exame, o limite de peso é de 155 kg. III Resultados anteriores É necessário apresentar todos os resultados anteriores relacionados ao exame (radiografia de coluna toracolombar e/ou densitometria óssea realizada anteriormente, se houver) mesmo que tenham sido realizados no Fleury A comparação entre exames só é possível se os estudos forem feitos no mesmo aparelho. Por isso, o Fleury recomenda que o cliente sempre retorne à mesma unidade em que realizou o estudo anterior caso tenha interesse nos resultados comparativos. A comparação pode ser realizada entre exames de até 5 anos. Quando ocorrer a substituição de aparelho da unidade por uma versão mais moderna, a comparação não será possível mesmo que o cliente retorne na mesma unidade por se tratarem de máquinas diferentes. Atenção: Segue as Unidades e datas das trocas de equipamento. Exames realizados nestas Unidades anteriormente a data de troca não podem ser comparados e o cliente pode ser direcionado para a Unidade que preferir. Villa Lobos: 22/03/2015 Brasil II: 31/03/2021

Valor de referência

De acordo com os critérios da Organização Mundial de Saúde (OMS), para o cálculo do risco de ocorrência de fraturas osteoporóticas, os valores obtidos são comparados com a média de uma população de adultos jovens da mesma raça e sexo do cliente (Tmatched). Além disso, realizase também a comparação da densidade mineral óssea (BMD) do indivíduo avaliado com a média de uma população da mesma idade, sexo, raça e peso (Zmatched). Os resultados são expressos em números de desviospadrão (dp) da média: até 1 dp: normal; entre 1,1 e 2,4 dp: osteopenia; acima de 2,5 dp: osteoporose.

Interpretação e comentários

A densitometria óssea é considerada o método de referência para a quantificação de osteopenia, para o diagnóstico de osteoporose, mesmo na ausência de fraturas osteoporóticas, e para o acompanhamento de pessoas em uso de terapêutica específica. Nos últimos 20 anos, houve um grande desenvolvimento dos métodos para avaliar a massa óssea e identificar os indivíduos suscetíveis a fraturas osteoporóticas. A técnica mais atual, feita por meio de dual energy xray absorptiometry (DXA), permite a avaliação da densidade mineral óssea de forma rápida, nãoinvasiva e bastante precisa. Sem contar que a radiação a que as pessoas são expostas é mínima, ou seja, dez vezes menor que a emitida por uma radiografia simples de tórax. O exame pode ser utilizado não apenas para o diagnóstico da osteoporose, como define a OMS, mas também para avaliar o risco de ocorrência de fraturas osteoporóticas. Existe uma excelente correlação entre a menor densidade mineral óssea e a maior incidência de fraturas, o que possibilita, assim, a determinação desse risco para cada indivíduo. A densitometria compreende a avaliação da coluna lombar e da região proximal dos fêmures, nas quais as fraturas osteoporóticas são mais frequentes e provocam maior morbidade e mortalidade. A avaliação periódica desses sítios ósseos permite monitorar os resultados dos tratamentos instituídos para a osteoporose. A presença de próteses metálicas na coluna lombar ou em fêmur proximal, de próteses de silicone nas nádegas e de grampos metálicos de sutura (staples) na área do exame pode prejudicar a avaliação densitométrica, assim como grandes deformidades vertebrais e diâmetro abdominal maior que 30 centímetros na posição supina.

Método

Densitométrico por dual energy xray absorptiometry (DXA).

Regiões estudadas

Coluna lombar fêmur proximal e/ou antebraço, se necessário.

Principais indicações

A densitometria óssea é um procedimento nãoinvasivo, com mínima exposição radiológica, que permite uma avaliação bastante segura e precisa do conteúdo mineral ósseo. O exame constituise num método de referência para a quantificação de osteopenia, para o diagnóstico de osteoporose, mesmo na ausência de fraturas osteoporóticas, e para o acompanhamento de pacientes em terapêutica específica.

Cobertura de convênios

Para informações sobre cobertura de convênio, consulte nossa página de Convênios ou ligue para nossa Central de Atendimento pelo telefone: (21) 2266-8989

Preços e Pagamento Particular

A Clínica Felippe Mattoso oferece parcelamento em até 10x sem juros (parcela mínima de R$ 50,00).

Não possui cadastro? Cadastre-se já!

Entre em contato com a nossa Central de Atendimento e agende seu exame: 

(21) 2266-8989