Doxepina, dosagem, soro

Outros nomes:

Doxepina, dosagem

Nordoxepina, dosagem

Doxepina/Nordoxepina, dosagem

Orientações necessárias

- O cliente deve estar com a dosagem estável da medicação há pelo menos dois dias, mantendo o horário regular de tomar o medicamento. - Caso o fármaco seja usado apenas uma vez ao dia, é necessário fazer o exame de 12 a 24 horas após a tomada. - Se o medicamento for usado duas ou mais vezes ao dia, a coleta deve ocorrer dentro do período de uma hora antes do momento habitual da tomada. - Diante de suspeita de intoxicação, a amostra pode ser colhida a qualquer momento. Neste caso, é preciso informar o horário em que o cliente tomou o fármaco pela última vez.

Processamento e adequação da amostra

- Receber a amostra em embalagem REF e mantê-la nesta condição até a manipulação. - Centrifugar a 2200 g por 10 minutos, a 18° C; - Aliquotar 3,0 mL de soro de em tubo de alíquota padrão; - Encaminhar á seção, congelado - Volume mínimo: 2,0 mL de soro Estabilidade da amostra: Temperatura ambiente: não aceitável Refrigerada (2-8 ºC): não aceitável Congelada (-20 ºC): 30 dias.

Método

- Cromatografia líquida de alta eficiência (HPLC).

Valor de referência

Doxepina + Nordoxepina: - Nível terapêutico: 50 a 150 ng/mL - Nível tóxico: maior ou igual a 300 ng/mL

Interpretação e comentários

- A doxepina é um antidepressivo tricíclico, com potente ação sedativa e efeito anti-histamínico. Serve para o tratamento de depressão e ansiedade, para o manejo da dor crônica e neuropática e, por via tópica, para prurido associado com eczema, sendo bem absorvida pelo trato gastrointestinal. - Observam-se as concentrações plasmáticas máximas do medicamento dentro de duas horas após a administração oral e sua circulação está altamente ligada às proteínas do plasma. Seu metabolismo ocorre no fígado por meio da via CYP2D6 e sua meia-vida varia entre 9 e 25 horas. A N-desmetilação produz um metabólito ativo, a N-desmetildoxepina, e seu principal metabólito é a nordoxepina. - A dosagem sérica desse fármaco tem utilidade para o acompanhamento terapêutico, com o intuito principal de evitar efeitos tóxicos, e também para auxiliar o diagnóstico de abuso do medicamento. - O uso de inibidores da CYP2D6 pode aumentar as concentrações séricas da doxepina, assim como o emprego concomitante de cimetidina, atazanavir, ritonavir, inibidores da receptação da serotonina (como fluoxetina e fluoxamina), quinidina, terbinafina, tiabendazol e trazodona. Por outro lado, medicamentos como carbamazepina, rifamicina, rifampina e rifabutina são capazes de diminuir seus níveis séricos. - A intoxicação pela doxepina caracteriza-se por arritmias cardíacas, hipotensão grave, convulsões e depressão do SNC, bem como por alterações no eletrocardiograma (torsade de pointes).

Cobertura de convênios

Para informações sobre cobertura de convênio, consulte nossa página de Convênios ou ligue para nossa Central de Atendimento pelo telefone: (21) 2266-8989

Preços e Pagamento Particular

A Clínica Felippe Mattoso oferece parcelamento em até 10x sem juros (parcela mínima de R$ 50,00).

Não possui cadastro? Cadastre-se já!

Entre em contato com a nossa Central de Atendimento e agende seu exame: 

(21) 2266-8989